Eu tive chances. Eu poderia ter dito em uma de nossas brincadeiras. Entre um riso e outro, eu podia ter soltado, sem meias-palavras, sem rodeios, sem nada. Cheguei a planejar dizer enquanto você me abraça, enquanto me olhava ou enquanto jurava para todo mundo, no mais alto e bom som que eu podia ouvir, que nós não passávamos de apenas bons amigos. Eu odiava quando você falava de nossa amizade. Odiava. Quis dizer que eu te amava, quis dizer que eu nunca mais queria ser só sua amiga. Não disse e você se foi. Se eu pudesse voltar no tempo, quem dera eu pudesse ter dito: foi sempre você.
Talvez eu seja uma farsa. Talvez eu seja virtualmente inacessível. Alguém que se entope de adjetivos pra entender as coisas e dizer que não se preocupa em entender nada. Eu que sempre falei de amor, não amei o outro em toda a dimensão da pessoa que ele é. Talvez eu tenha me preocupado mais com as vírgulas que não usei nas cartas de amor que escrevi, que com as pessoas que as receberam e que se julgaram amadas.
Marla de Queiroz   (via thiagopolycarpo)

(Fonte: t-a-q-u-i-c-a-r-d-i-a)

Quem ama de verdade, vê muito mais do que só a aparência. Vê a essência.
A Fera. (via desabafo-mental)

(Fonte: seu-leao)

✌ cuidado que se bobear dia 31 te deixo pra tras e sigo em frente ✌

(Fonte: sarradinha)